segunda-feira, 1 de junho de 2009

Campanha eleitoral

1. A governabilidade e a estabilidade política do país não dependem de um governo de maioria absoluta, diz Manuela Ferreira Leite. Mais, não tenciona pedir a maioria absoluta na campanha para as eleições legislativas, porque considera que isso é fazer chantagem sobre o eleitorado. Não, Manuela Ferreira Leite não passou a ser, de repente, líder do PP, do PCP ou do BE, partidos que, pelo menos nos tempos que vivemos, não podem aspirar a liderar um governo. Manuela Ferreira Leite continua a ser líder de um partido, o PSD, que sempre defendeu a maioria absoluta como garantia da governabilidade e da estabilidade política.
O que leva então a líder do PSD a dar o dito por não dito? Simples, a certeza de que não poderá vencer as eleições legislativas e de que o seu partido terá de esperar muitos anos para voltar a beneficiar do capital de confiança que chegou a ter no passado. Quanto ao anátema da chantagem, é apenas retórica. Estivesse Manuela Ferreira Leite [e o PSD] na posição de José Sócrates [e do PS] e diria exactamente o contrário, com a mesma convicção.
2. É verdade que a capacidade de mobilização foi caindo, mas continua a ser impressionante que, à terceira manifestação, ainda sejam tantos os professores na rua. Interessa pouco se foram 60 mil, como diz a PSP, ou se foram 80 mil, como dizem os sindicatos. Foram muitos, mais do que na verdade se esperava que fossem. Nos tempos em que vivemos, de apatia generalizada, em que o sinónimo de protesto passou a ser o preguiçoso acto de assinar uma petição qualquer na Internet, a força e a mobilização dos professores tem de ser vista com respeito e consideração. Concorde--se ou não com algumas das razões do protesto.
Mas uma coisa é a indignação e o protesto a que têm direito os professores. Outra coisa é um sindicato entrar em campanha eleitoral. A Fenprof, que se saiba, não vai a votos no próximo domingo, tão-pouco nas próximas legislativas. Resulta, por isso, bizarro ouvir Mário Nogueira dizer, perante a imensa plateia, que "não podemos admitir que volte a funcionar uma maioria absoluta". Ficámos todos a saber que não foi o líder do sindicato dos professores que discursou, sábado à tarde, em Lisboa, foi o militante do PCP que aspira a ser líder de um sindicato de voto.
3. Falta uma semana para as eleições europeias, por todos [candidatos e eleitores] considerada uma primeira volta das legislativas. A diferença daquela relativamente a esta é que terá um nível de abstenção elevado, o que dificulta previsões e poderá baralhar o resultado.
O que nos dizem as sondagens é que a diferença entre PS e PSD se mantém estável, em redor dos três pontos, com socialistas na frente. Começa a ser provável que se confirme nas urnas porque, a um exuberante Paulo Rangel, que ameaçava com uma vitória, o PS contrapôs o eficaz José Sócrates, quase fazendo esquecer que o cabeça-de-lista é o trapalhão Vital Moreira. No campeonato dos mais pequenos, reaparece a capacidade de mobilização da CDU, agora que a festa na rua tem mais impacto. Fica mais para trás o Bloco, porque Louçã é mais eficaz no Parlamento do que em campanha. E no PP luta-se pela sobrevivência, de tal maneira que Nuno Melo foi atirado borda fora para dar lugar ao omnipresente Paulo Portas.
(*) Originalmente publicado no JN desta segunda-feira

A Europa é um outdoor

1 - Não é costume, mas por vezes um comentário pode começar a ser escrito pelo título. A Europa de que se fala é, evidentemente, a Europa do Parlamento Europeu. Pela qual estamos em período de campanha eleitoral. Na verdade, ninguém parece muito interessado. E até passaria quase despercebida, não fossem - lá está a explicação para o título - os outdoors.
É só por darmos de caras com eles, em ajuntamentos de cinco e seis, numa rotunda ou num recanto ajardinado qualquer, que percebemos que se aproxima uma pugna eleitoral. A que os portugueses pouco ou nada ligam porque pouco ou nada do que se diz nesta campanha lhes interessa.
Os temas europeus são vagos e complexos, fogem deles os eleitores e os candidatos. E no que diz respeito a temas nacionais, sabemos todos que não são estes os actores que contam. O verdadeiro campeonato e os verdadeiros líderes só entram em jogo no final do Verão. Sobram portanto os outdoors.
São os próprios candidatos que valorizam o outdoor mais do que qualquer outro meio de comunicação. Ao ponto de já se fazerem notícias sobre os outdoors que estão para sair. E de os candidatos convocarem conferências de Imprensa para junto de um outdoor. Para promover uma mensagem oca, às vezes bacoca.
2 - Ponto prévio: Leonor Cipriano é um monstro que não merece a solidariedade de ninguém. Matou a filha, Joana. Teve o sangue frio suficiente para se livrar do corpo. E para montar uma encenação de rapto que comoveu os portugueses. Foi desmascarada, julgada e condenada a 16 anos de cadeia. Nem pouco, nem muito, a medida que um tribunal, formado por gente que conhece a lei, julgou razoável.
Leonor Cipriano é um monstro, mas é um ser humano. E vive, felizmente para ela, mas sobretudo para nós, num Estado de Direito. E foi por isso que seguiu por diante um processo contra inspectores da Polícia Judiciária, acusados de a terem espancado.
A sentença saiu por estes dias e foi, por assim dizer, salomónica. O tribunal deu como provado que a história da queda pelas escadas era uma fantasia, ou seja, que Leonor Cipriano foi torturada por inspectores da PJ. Só não deu como provado quem foram os torturadores.
Mas foi possível apurar uma outra coisa: que um ex-inspector chamado Gonçalo Amaral [que o acaso do desaparecimento de Maddie transformou, entretanto, numa vedeta do jet-set] mentiu sobre o que se passou. E foi condenado a uma pena de cadeia [suspensa] por isso.
É legítimo pensar que quem conta uma mentira o faz para encobrir a verdade. E se entregássemos Gonçalo Amaral às mãos de esbirros pouco escrupulosos, que lhe arrancassem a verdade à pancada? Como pelos vistos alguém, da Polícia Judiciária, que ele conhece, fez com Leonor Cipriano.
(*) Originalmente publicado na edição do JN de 25/05/2009

Elisa e Narciso

1. "Com os dois pés no Porto", assegura o primeiro cartaz de Rui Rio na corrida à presidência da Câmara Municipal do Porto. Fica dado o mote para a longa campanha eleitoral, que só terminará em Setembro/Outubro.
Sendo que este mote de campanha lhe foi oferecido, numa bandeja, pela principal adversária, a socialista Elisa Ferreira. A candidatura simultânea ao Parlamento Europeu e à autarquia não deixará de lhe ser atirada à cara, tantas quantas as vezes que se cruzarem no longo caminho que falta percorrer.
Como já escrevi antes, isso não fará de Elisa Ferreira melhor ou pior presidente. Mas é um problema que faz dela, à partida, em termos formais, que não de conteúdo, uma pior candidata. E já vamos tendo provas disso: é a própria Elisa Ferreira quem tem de insistir, recorrentemente, que a sua prioridade é o Porto. E não devia ser preciso.
Foi o que teve de fazer, há uma semana, quando andou a "namorar" os eleitores mais velhos, nos centros de dia da freguesia de Paranhos. Sendo que ainda por cima o fez de forma desastrada: "Vou só dar o nome e volto". Como quem diz, o Parlamento Europeu não interessa nada, serve apenas para garantir um cargo político. E para que não restassem dúvidas, nova dose de explicações. "Sinceramente, eu quero vir para o Porto. O meu objectivo é sair de onde estou [Parlamento Europeu] e trabalhar para a cidade." Ou seja, vai perder mais tempo a tentar convencer os eleitores de que é uma candidata sincera e empenhada do que a explicar por que é a melhor alternativa a Rui Rio. O actual presidente e recandidato fará o que puder para manter o tema na agenda. Nem que seja com os pés.
2. "Vou vestir a camisola de Matosinhos, mas mantenho a t-shirt do PS bem colada ao meu coração". A frase é de Narciso Miranda e foi usada durante a sua apresentação, entre o povo, como candidato à Câmara de Matosinhos. É uma frase assim ao jeito de independente por fora, socialista por dentro. Um posicionamento que lhe permitirá somar, à sua óbvia notoriedade [não há ninguém tão conhecido em Matosinhos como Narciso], uma capacidade de atracção de eleitores de vários campos.
Desde logo os socialistas, sem os quais a vitória será impossível, que continuarão a ter "um socialista à frente da sua autarquia". Depois os abstencionistas, que poderão ser atraídos pelo facto de poderem votar, pela primeira vez, num movimento independente. E, finalmente, os eleitores que usam o voto como protesto e que poderão trocar PSD/PP, CDU e BE por um candidato com capacidade para ganhar.
É verdade que o PSD ainda não tem um rosto e que, quando o tiver, poderá começar a recuperar o terreno que entretanto perdeu. Por outro lado, Guilherme Pinto (PS), estando no poder, terá outra capacidade para fazer campanha. E na verdade faltam quatro longos meses. Mas parece - e às vezes o que parece é - que Narciso parte na frente. E se há coisa que não lhe falta é resistência, experiência e pelos vistos apoio, financeiro e popular, para aguentar esta corrida.
(*) Originalmente publicado na edição do JN de 18/05/2008

quinta-feira, 7 de maio de 2009

O sorriso de Mona Lisa

Há entrevista a Marco António Costa para ler na edição desta semana do Matosinhos Hoje. Um proto-candidato do PSD à Câmara de Matosinhos que parece começar a afastar-se dessa condição. Ou, para citar o próprio: "Pela enésima vez, não sou candidato."
Mas o que mais nos diz o homem que, para além de "vice" da Câmara de Gaia, lidera a Distrital laranja? E que portanto terá palavra decisiva na escolha do litigante social-democrata? Diz, por exemplo, que Agostinho Branquinho foi convidado mas não avança. Que Paulo Morais "é um activo político importante do partido". E, ainda, que não pode responder quando lhe perguntam se o cabeça de lista será algum dos actuais vereadores.
Uma verdadeira Mona Lisa, portanto. De sorriso enigmático. A gente bem olha e bem procura ler nas entrelinhas, mas o rosto e o discurso são inexpressivos.
Pelos vistos, a decisão ou o anúncio ficam lá mais para o fim de Maio. Ou porque ainda não há candidato, ou porque dá jeito que os dois principais rivais se vão queimando em lume brando. Prova disso, as muitas linhas que lhes dedica Marco António. Apenas alguns exemplos.
Sobre Narciso: não é propriamente um menino do coro; não deixa Guilherme Pinto governar a Câmara; candidata-se por révanche; é o criador a tentar anular a criatura.
Sobre Guilherme: foi levado ao colo pelo Governo; não foi presidente da Câmara, foi regedor; viveu permanentemente pendurado na fralda da camisa do primeiro-ministro; tem a percepção de que a Câmara está perdida.

terça-feira, 5 de maio de 2009

Pagar para correr

"A Área Disciplinar de Educação Física vem informar que o Torneio de Atletismo previsto no Plano de Actividades da Escola para os próximos dias 5 e 6 de Maio não se irá realizar por decisão desta área disciplinar. Esta decisão sustenta-se no facto de a Matosinhos Sport, Empresa Municipal de Desporto, cobrar este ano lectivo aluguer de instalações com o valor de 40 cêntimos por aluno por dia mais IVA, facto que consideramos inaceitável e que a escola não pode comportar"



Esta nota, que "assassina", em meia duzia de linhas, a política educativa e desportiva da nossa Câmara, chegou-me às mãos esta semana. É proveniente da E.B. 2,3 de Leça da Palmeira.
Ficamos a saber, entre outras coisas, que temos uma Empresa Municipal de Desporto que trata as escolas como se elas fossem empresas. E portanto trata os alunos como se fossem clientes. Mais moderno do que isto não há.
Estamos perante uma inversão das políticas educativas de Matosinhos. A partir de agora, em vez de ser a Câmara a financiar as escolas, são as escolas a financiar a Câmara. Sim, porque as despesas são mais que muitas, nomeadamente para pagar bons salários e bons carros aos administradores das empresas municipais.
Eu proponho, aliás, algumas medidas moralizadoras para além desta. Por exemplo, 20 cêntimos por aluno e por dia pela utilização dos recreios das escolas do primeiro ciclo. Isto para os alunos do escalão A, porque para os do B seria de 30 e para os "ricos" de 40 cêntimos. Já para consultar um livro em qualquer biblioteca escolar, 50 cêntimos. E por cada cinco minutos de utilização de um computador com ligação à internet, um euro (com desconto de 50% se for usado um Magalhães).

segunda-feira, 4 de maio de 2009

Louçã, o vice?

Se há líder que se destacou neste cenário de crise foi Francisco Louçã. Vão longe os tempos em que se criticava no líder do Bloco de Esquerda um discurso que misturava o tom de seminarista com propostas radicais e anacrónicas. O sistema financeiro entretanto desabou, arrastando a chamada economia real, e com ele noções até então sagradas como mercado livre e liberalismo.
De repente, o capitalismo ficou parecido com a selvajaria para que antes alertava Louçã. Os vigaristas do off-shore, os banqueiros, os especuladores das bolsas, os donos das grandes fortunas, que faziam parte do léxico "simplório" do líder bloquista - e, vá lá, às vezes dos comunistas e de alguns socialistas - passaram a fazer parte do discurso global. E assim um seminarista aborrecido transformou-se, também de repente, num economista brilhante e num político visionário.
Restam, aliás, poucas dúvidas de que, mesmo sem estar no Governo, Francisco Louçã e o seu Bloco há meses que influenciam as políticas governativas. Provavelmente já poucos se lembram que o partido que ainda tem o Socialista no nome era apontado, há um ano atrás, pela generalidade dos analistas, como um exemplo de ponderação centrista, não deixando que a prática e o discurso lhe fugissem para a esquerda. Alguns meses de taxa de desemprego a subir, de PIB a diminuir e de pânico a instalar-se, foram suficientes para regressar às origens socialistas. E nos últimos meses lá fomos assistindo à apropriação, ainda que mitigada, de algumas das bandeiras do Bloco de Esquerda.
Talvez José Sócrates, que é um político sem ideologia, mas arguto e decidido, tenha percebido o que agora as sondagens mostram, nomeadamente a que hoje publicamos no JN: o Bloco de Esquerda sobe de forma aparentemente sólida e com uma força suficiente para ser ele, e apenas ele, o partido que garante a possibilidade de somar uma maioria parlamentar que sustente um Governo.
Parta-se do princípio que o Bloco Central é uma realidade afastada - o único que sonhará com isso será, talvez, Cavaco Silva - e olhe-se para os números: o PSD sobe, mas pouco mais do que desce o CDS. Os dois juntos ficam demasiado longe do PS. O CDS, aliás, está cada vez mais perto de voltar a transformar-se no "partido do táxi" (quando o seu número de deputados cabia dentro de um carro de aluguer), ou ainda menos do que isso, dois ou três deputados inúteis. O PCP não é capaz de conquistar o voto de protesto e mantém a sua base eleitoral habitual, ultrapassado pela dinâmica menos rígida e o discurso mais eficaz dos bloquistas. Sobram estes, com um grupo parlamentar provavelmente bem maior, para ajudar a sustentar um Governo liderado pelo PS.
O problema é: sendo este raciocínio lógico e sustentado pelas sondagens (veremos como será com os resultados a sério), alguém consegue imaginar um Governo com Sócrates a primeiro-ministro e Louçã a vice?
(*) Comentário originalmente publicado no JN desta segunda-feira

terça-feira, 28 de abril de 2009

A ignorância

"A despesa com pessoal é o argumento a que se vão agarrar as ignorâncias". Ainda ninguém tinha tido possibilidade de dizer o que quer que fosse sobre as contas da Câmara Municipal de Matosinhos (2008) e já Guilherme Pinto, em conferência de Imprensa, passava um atestado de incompetência a quem se lembrasse de abrir a boca. Poderia ser considerada uma boa jogada de antecipação, não fosse o insulto gratuito.
Do que se fala? Do aumento das despesas com pessoal em cinco milhões de euros nos últimos três anos. Correndo o risco de parecer ignorante, a mim parece-me de facto, vá lá, um pouco exagerado. Sobretudo quando atravessamos momentos de crise profunda, que convidariam a alguma restrição. Mesmo que tenha sido preciso acolher funcionários dos antigos serviços municipalizados na autarquia. Mesmo que aqui estejam incluídos os pagamentos aos monitores das actividades de enriquecimento curricular das escolas primárias. É muito milhão.
Acrescente-se que o tom tonitruante do presidente da Câmara não se esgotou no primeiro exemplo. Revelando um apego emocionante ao insulto, aproveitou para atacar quem se atreveu a duvidar da bondade dos recentes empréstimos à banca (32 milhões). "Mostram ignorância e até má-fé". Ora tomem lá.

segunda-feira, 27 de abril de 2009

Deolinda

Como vem sendo tradição (boa tradição), a Câmara de Matosinhos assinalou mais um aniversário do 25 de Abril com um concerto no Salão Nobre [aliás, foram dois, porque também houve soirée de piano no Constantino Nery].
Este ano foi a vez dos Deolinda, com a presença inimitável de Ana Bacalhau, a voz e provavelmente a alma mater do grupo. Um espectáculo interessante que pôs o Salão a rebentar pelas costuras com um outro tipo de canção de intervenção (ler exemplo mais abaixo).
E depois, no final, ainda deu para uma sessão de fogo-de-artifício, desta vez lançado a partir do telhado dos Paços do Concelho. Só foi pena o conjunto abarracado que decidiram plantar no Jardim Basílio Teles...

Movimento Perpétuo Associativo
Agora sim, damos a volta a isto!
Agora sim, há pernas para andar!
Agora sim, eu sinto o optimismo!
Vamos em frente, ninguém nos vai parar!
Agora não, que é hora do almoço...
Agora não, que é hora do jantar...
Agora não, que eu acho que não posso...
Amanhã vou trabalhar...
Agora sim, temos a força toda!
Agora sim, há fé neste querer!
Agora sim, só vejo gente boa!
Vamos em frente e havemos vencer!
Agora não, que me dói a barriga...
Agora não, dizem que vai chover...
Agora não, que joga o Benfica...
E eu tenho mais que fazer...
Agora sim, cantamos com vontade!
Agora sim, eu sinto a união!
Agora sim, já ouço a liberdade!
Vamos em frente, é esta a direcção!
Agora não, que falta um impresso...
Agora não, que o meu pai não quer...
Agora não, que há engarrafamentos...
Vão sem mim, que eu vou lá ter...

Abril

1 - Democracia. Disse-se algumas vezes por estes dias que Portugal, em termos formais, vive em democracia. Isto para concluir que um dos grandes objectivos do 25 de Abril - um dos três "D" - foi cumprido. Acontece que ao elogiar a forma o que acaba por ressaltar é a dúvida sobre o conteúdo. É verdade que temos um Parlamento e que somos nós que escolhemos quem nos representa. Mas será que nos sentimos representados? A resposta, para muitos, porventura para a maioria, será negativa.
A Assembleia da República, que deveria ser o porta-estandarte da nossa democracia, é hoje um órgão desacreditado. Foi, ao longo dos anos, completamente governamentalizada e partidarizada, com o que isso tem de pior. Os deputados já não representam os eleitores. Dependem dos humores de membros de governos ou de directórios partidários que decidem em circuito fechado. Agem em função das agendas e das conveniências de outros. Formalmente, os deputados continuam a ter o poder de decidir, na verdade não demonstram autonomia para decidir nada.
Não surpreende, portanto, que vão surgindo propostas para mudanças no regime. Uma das possibilidades mais discutidas nos últimos anos tem sido a da criação de círculos uninominais. Com o argumento de que o vínculo do deputado com os eleitores seria mais forte do que o compromisso partidário. Para outros, bastaria a abrir a possibilidade de candidaturas de movimentos independentes à Assembleia da República. Mais radical ainda é a proposta para introduzir um regime presidencial, à imagem do sistema francês. Qualquer delas merece pelo menos uma discussão séria. A ver se evitamos cair definitivamente no pântano.
2 - Desenvolvimento. Também neste caso se poderia dizer que, formalmente, o 25 de Abril cumpriu a sua missão. Sobretudo quando se compara o país miserável e atrasado de 1974 com o Portugal de hoje, um pouco mais rico e certamente mais evoluído. O problema é quando se coloca na balança o Portugal de hoje com alguns dos nossos parceiros europeus. Como a vizinha Espanha. Mesmo em tempos de crise, a fotografia não nos favorece.
Mais de três décadas passadas sobre o 25 de Abril, em Portugal continua a haver qualquer coisa como dois milhões de pobres. Com ou sem crise, estão permanentemente no fundo do poço. Um em cada cinco portugueses ainda não quebrou o ciclo de pobreza que se arrasta desde 1974. E sendo assim, só com alguma dose de credulidade se pode aceitar que fomos capazes de cumprir esse segundo "D" de Abril [o terceiro, o da descolonização, é um anacronismo que não cabe nesta crónica].
Pior do que o incumprimento é não se vislumbrar como e quem seja capaz de cumprir essa meta. Embora seja fácil perceber que se formos capazes de aprofundar a nossa democracia será certamente mais fácil encontrar um caminho sustentado de desenvolvimento. São objectivos que andam a par. E talvez os consigamos cumprir quando percebermos que a nossa participação não se esgota no voto.
(*) Crónica originalmente puublicada no JN desta segunda-feira

quarta-feira, 22 de abril de 2009

O candidato do PSD

Mais um nome de um hipotético candidato do PSD a Matosinhos, segundo a Lusa desta manhã...

"O nome de Paulo Morais tem sido discutido dentro da concelhia de Matosinhos do PSD como provável candidato do partido à Câmara nas autárquicas do Outono, disseram à Lusa várias fontes sociais-democratas.As fontes referem que o nome de Paulo Morais começou a circular após o ex-vice-presidente de Rui Rio na Câmara do Porto ter participado, a 03 de Abril, num jantar de tomada de posse da concelhia de Matosinhos da JSD. Nesse jantar, em que Paulo Morais participou a convite de Marco António Costa, o líder da distrital do Porto do PSD justificou a presença do ex-autarca alegando que ele vai participar em vários projectos dos sociais-democratas de Matosinhos. "Paulo Morais veio ambientar-se", afirmou Marco António Costa, citado pelo jornal "Matosinhos Hoje", em declarações proferidas à margem daquela iniciativa."

E a reacção pronta do partido, em comunicado, ao final da manhã, apontando uma data...

"O Gabinete de Comunicação da Distrital do PSD/Porto afirma que qualquer nome que neste momento seja referenciado para candidato pelo PSD à Câmara de Matosinhos, como é o caso do Dr. Paulo Morais, hoje citado pela LUSA, não passa de uma mera especulação. A concelhia de Matosinhos, em consonância com a Distrital do PSD/Porto, já tem candidato e que será, em principio, apresentado durante a primeira quinzena de Maio".

segunda-feira, 20 de abril de 2009

Quem fecha a porta?

A Câmara Municipal de Matosinhos vai aprovar hoje a contracção de empréstimos no valor de 32 milhões de euros. A parte de leão é para financiar obras municipais. Os cinco que restam são para garantir liquidez na tesouraria e poder pagar salários e outras despesas correntes.
Pergunta-se: quando estamos a apenas cinco meses de eleições, e independentemente de quem venha a ganhá-las, não será pouco ético estar a contrair uma dívida de montante monstruoso, que condicionará, e de que maneira, quem assegurar a gestão municipal no próximo mandato?
E por outro lado, se a Câmara não tem dinheiro nem pagar salários, não seria mais prudente fazer alguma poupança, ou a ideia é praticar uma gestão do tipo "quem venha atrás que feche a porta"?

Pobreza e tortura

1. Dois milhões de pobres. Cerca de metade são crianças e velhos. É esta a verdadeira medida do nosso atraso e da nossa vergonha, não a percentagem de PIB que ora desce, ora sobe. Os dois estudos, o do PIB e o da Pobreza, foram conhecidos esta semana. Chegaram da mesma fonte, o Banco de Portugal. Mas enquanto o primeiro gerou muito ruído, o segundo mal se ouviu. Intitula-se "Novos factos sobre a pobreza em Portugal", é de Nuno Alves e está disponível na página de Internet do BdP.
Diz-nos esse estudo que havia dois milhões de pobres em 2006. Ainda estávamos, portanto, em período de "prosperidade". Como sempre, entre os mais pobres estavam os que não tinham nada para oferecer ao colectivo, os que não acrescentam nada ao crescimento do PIB, ou seja, 300 mil crianças e 600 mil idosos. Diz-nos ainda o estudo que os agregados mais vulneráveis à pobreza são as famílias monoparentais, as que incluem idosos com baixos níveis de educação e, finalmente, as famílias em que um ou mais adultos estão no desemprego.
Esta conclusão, conjugada com o que se tem passado entretanto, ou seja, com o aumento significativo da taxa de desemprego, sobretudo nos últimos meses, remete para uma realidade assustadora: a de o contingente de pobres em Portugal já ser bem superior aos dois milhões. Crianças e velhos incluídos. Apetece portanto perguntar quando é que o país e a nossa classe política darão mais importância a esta negra realidade do que a percentagens do PIB. Que mais não seja, pelo menos por razões de aritmética eleitoral. Os pobres comem mal, vestem roupa coçada, têm muitas doenças, são pouco educados, mas também votam.
2. Tortura do sono, simular a morte por asfixia, espancar, manter o detido nu. Tácticas que os agentes da PIDE certamente não desdenhariam quando interrogavam os presos políticos portugueses. Acontece que a listagem não remete para qualquer memorial de horrores do Estado Novo, agora que se aproximam os 35 anos do 25 de Abril. Antes para o sinistro catálogo que um regime democrático como os EUA permitiu que se redigisse, com o propósito de ser utilizado contra suspeitos de terrorismo. Os manuais foram conhecidos esta semana. Particularmente brutal é a descrição do "waterboarding", técnica em que o detido fica deitado e imobilizado, com um pano tapando a boca e o nariz, enquanto lhe despejam água. Trinta a 40 segundos de sensação de morte por asfixia. Um método que os carcereiros da CIA recomendavam que fosse conjugado com a privação do sono, até sete dias. Ficava garantida uma confissão a preceito.
Estas práticas foram entretanto proibidas por Obama, que lamentou um "capítulo negro e doloroso" da história americana. Convém lembrar, no entanto, que tendo sido um capítulo protagonizado por Bush, contou com a cumplicidade política de alguns líderes europeus, como Blair, Aznar e até Durão Barroso. O único que se mantém num cargo político relevante é o último. Fará sentido que continue?
(*) Crónica originalmente publicada no JN desta segunda-feira

quinta-feira, 16 de abril de 2009

Os cartazes

Guilherme Pinto acha que a Comissão Nacional de Eleições não tem competência para decidir. PSD compara presidente da autarquia a Hugo Chavez. Narciso fala de “inexperiência” e “deslumbramento pelo poder”.

no Matosinhos Hoje

Quando o melhor que há para discutir é onde colocar o outdoor, melhor seria que não houvesse campanha. A única informação útil que falta aqui nesta síntese é que a Câmara ameaça recorrer ao Tribunal Constitucional. Genial.

segunda-feira, 6 de abril de 2009

A gémea e o fisco

1. No processo Apito Dourado, e em todos os apitos que funcionam na sua órbita, quando se pensa que já vimos tudo, há sempre uma novidade que nos surpreende. A primeira superestrela feminina deste caso foi Carolina Salgado. Mas aos poucos vai sendo destronada pela irmã gémea, Ana Salgado. Que primeiro esteve contra a irmã e ao lado de Pinto da Costa, para agora regressar ao seio familiar e denunciar o presidente do F. C. Porto. Presume-se que o arrependimento terá surgido quando deixou de receber os tais cinco mil euros por mês, em notas. Não se pense que a história fica por aqui. Um procurador mandou abrir um inquérito por suspeita de fraude fiscal. Presume-se que o procurador suspeite que, tendo recebido este rendimento mensal, Ana Salgado não o tenha declarado às Finanças e que, portanto, deixou por pagar o IRS. Ora aqui está uma bela prova de que a realidade ultrapassa sempre a ficção. Pena é que, para além do futebol, também a Justiça se meta nestes salgados.
2. Há um senhor de Braga chamado Domingos Névoa que foi eleito para a presidência da Braval, empresa intermunicipal que trata do lixo da região. Empresa pública, acrescente-se. Ora este senhor tinha sido condenado, há umas semanas, por tentativa de corrupção de um autarca. Nada que incomode os autarcas de Braga, Póvoa de Lanhoso, Amares, Vila Verde, Terras de Bouro e Vieira do Minho. Como explicou um deles, "as câmaras o que querem é bons preços e bons serviços". Um belo exemplo de pragmatismo. Um pouco na linha de raciocínio desse outro autarca modelo chamado Isaltino Morais que, quando confrontado com os 400 mil euros que lhe sobraram da campanha, decidiu guardá-los numa conta na Suíça. Domingos Névoa renunciou entretanto. Para desgraça dos autarcas de Braga, que deixarão de contar com bom serviço e a bom preço.
3. Ensinava-se antigamente que não se devia dar passo maior que a perna. Nenhum dos actuais inquilinos do Ministério da Educação terá tido um avô que lhe transmitisse alguma sabedoria popular. Caso contrário, não estariam com passo tão apressado para arranjar directores para todas as escolas do país. Não está em causa se a medida é boa ou má. Apenas a forma como se esbanjam dinheiros públicos. Os directores, naturalmente, terão um pagamento superior ao que teriam se continuassem como professores. Um pouco mais do que o que recebem os actuais membros dos conselhos executivos. Acontece que, com a obrigação de escolher, até final de Maio, todos os novos directores, os mandatos destes vão sobrepor-se aos dos conselhos anteriores. O que significa que o Ministério - ou seja, os nossos impostos - vai ter de pagar suplementos salariais aos que chegam e aos que partem. A 500 euros por cabeça. Não se podia ter dado um passo do tamanho da perna? Ou seja, substituir os conselhos executivos à medida que se fossem cumprindo os mandatos para os quais foram eleitos?
(*) Comentário originalmente publicado no JN desta segunda-feira

segunda-feira, 30 de março de 2009

Conversa de café

1 - "Ao que consta", a carta anónima que deu origem à investigação do chamado caso Freeport não era anónima. Aliás, "existem rumores" de que terão sido os próprios investigadores da PJ a sugerir que a denúncia se fizesse de forma anónima. Ora, estes "boatos rapidamente se tornam em verdades absolutas" quando surgem pela pena do bastonário da Ordem dos Advogados, Marinho Pinto. E isso provocou uma evolução das "conversas de café", que até aqui condenavam José Sócrates, e tendem agora, "ao que parece", a absolvê-lo.
Para além de apontar o dedo a métodos de investigação inaceitáveis, o artigo de Marinho Pinto obriga a uma leitura mais atenta da carta anónima, que é afinal de autor bem conhecido. E o que de mais relevante se lê são as expressões que aparecem entre aspas mais acima.
É verdade que entretanto se foram juntando novos dados ao processo. Mas não deixa de ser extraordinário perceber que foi assim que se começou a investigação a alguém que é hoje primeiro-ministro de Portugal: com uma carta anónima feita a pedido de quem investiga e em que apenas se referem rumores e boatos ouvidos em conversas de café.
Questionado sobre estas trapalhadas, o procurador-geral da República lamenta o "romance" à volta do Freeport, acrescentando que é apenas um entre 500 mil processos em investigação. O que suscita de imediato uma nova pergunta: quantos desses 500 mil processos de investigação terão começado de uma forma tão abandalhada como o Freeport?

2 - O Metro do Porto tem cada vez mais passageiros (51,5 milhões de validações em 2008) e cada vez mais receitas operacionais (29,2 milhões de euros em 2008). No entanto, a situação financeira é cada vez pior e a empresa já entrou numa situação de falência técnica.
Tratando-se de uma empresa de transportes públicos, não se esperava que fosse lucrativa. Até porque pratica preços sociais. Mas também não parece saudável que encerre o ano com um prejuízo de 148,6 milhões. Sendo que a principal explicação para este desastre é que de um total de 246 milhões de euros de indemnizações compensatórias [a garantia de que é possível praticar preços sociais] que o Estado está a dever, chegaram apenas 11,6 milhões.
Outro número curioso é o que nos diz que, dos 123,8 milhões de euros investidos durante o ano passado (em obras ou na compra de veículos), apenas 7,4 milhões correspondem a investimento do Estado. O resto só foi possível através do endividamento bancário.
Isto ajuda a perceber porque se chegou um passivo da ordem dos 2,1 mil milhões de euros. É que o dinheiro que o Estado distribui generosamente por tudo o que é obra pública da região de Lisboa escasseia para as províncias. A importância do metro do Porto não passa a fase do discurso político. Quando é preciso distribuir verbas, há sempre uma ponte, aeroporto, auto-estrada ou até linha de metro mais importante para fazer na capital.
(*) Comentário originalmente publicado no JN desta segunda-feira

sexta-feira, 27 de março de 2009

Tabu no PSD

Ainda não vai ser este sábado que vamos conhecer o candidato do PSD a Matosinhos. Afinal é uma sessão de pré-campanha a nível distrital. O suspense vai manter-se por mais umas semanas...

Carta anónima a pedido

A carta anónima que envolveu José Sócrates no caso Freeport foi uma manipulação da Polícia Judiciária de Setúbal e dos seus inspectores. Quem o diz é o bastonário da Ordem dos Advogados. Está aberta a polémica. Quase cinco anos depois de a Polícia Judiciária (PJ) de Setúbal ter recebido uma carta anónima, denunciando o envolvimento de José Sócrates na alteração da Zona de Protecção Especial do Estuário do Tejo para beneficiar a construção do Outlet de Alcochete a troco de dinheiro para as legislativas de 2005 - falou-se em meio milhão de euros - , o bastonário da Ordem dos Advogados vem agora dizer que, afinal, não passou tudo de um embuste. "A carta anónima que incriminou Sócrates foi combinada com a PJ", escreve Marinho Pinto na edição de Abril do Boletim da Ordem, num longo artigo sobre (a falta de) segredo de justiça que norteou o Caso Freeport. in Jornal de Notícias


Marinho Pinto de novo na berlinda, de novo sem papas na língua. O que nos conta é devastador para a credibilidade dos investigadores portugueses, sejam polícias ou procuradores. Pelo caminho dá umas "munições" a Sócrates e à sua tese da campanha negra. Embora não pareça ser isso que o move. Um caso que certamente ainda dará hoje muito que falar.

quarta-feira, 25 de março de 2009

O candidato?

"Marco António Costa, presidente da Distrital do PSD do Porto, vai almoçar com mais de mil mulheres (neste momento já existem 1130 inscrições) em MATOSINHOS, no próximo sábado, dia 28 de Março, pelas 13 horas, no Pavilhão de Desportos e Congressos de Matosinhos. Marco António Costa fará a sua intervenção direccionada para as eleições que se avizinham, mas com maior incidência nas autárquicas e também sobre MATOSINHOS já que este concelho MERECE MELHOR. Neste almoço de MULHERES conta-se com a presença de alguns homens: Luís Filipe Menezes (Gaia), Rui Rio (Porto), Macedo Vieira (Póvoa de Varzim), Fernando Melo (Valongo), Manuel Moreira (Marco de Canavezes), Celso Ferreira (Paredes), Pedro Pinto (Paços de Ferreira), Bernardino Vasconcelos (Trofa) e Alberto Santos (Penafiel)."

Um comunicado do PSD para uma iniciativa em Matosinhos, no próximo sábado. Tendo em conta os convidados que Marco António Costa terá a seu lado, caso para perguntar se o almoço é convocado pelo presidente da Distrital do PSD ou pelo candidato do PSD à Câmara de Matosinhos?

segunda-feira, 23 de março de 2009

Espanto

Como acredito que nos devemos chatear com pequenas coisas, antes que elas se tornem um hábito e se transformem em grandes e graves coisas, deixo-vos com a mais recente mensagem enviada a uma escola deste concelho. Que assim se transforma, digamos, numa espécie de carta aberta.
Sr. Presidente do Conselho Executivo
da E.B. 2,3 Leça da Palmeira,

caro professor Jorge Sequeira,

Esta é uma mensagem para reclamar mas, mais do que isso, é uma mensagem de espanto. Espanto por perceber que a Escola Básica 2,3 de Leça da Palmeira não é uma escola para todos [Ou, pelo menos, para ser menos antipático, é uma escola que alguns fazem com que não seja sempre para todos].
Pensava eu, na minha ingenuidade formal [e apenas nessa], que a Escola Pública não discriminava ninguém, nem ciganos, nem pretos, nem deficientes, nem gordos, nem magros, nem caixa de óculos, nem pernas de pau. Enganei-me. Pelos vistos, às vezes discrimina. Pelo menos nas competições que organiza.
Não, não estou a falar do concurso de “tangram” promovido, hoje mesmo, no Espaço de Matemática da Escola. Entre os professores de matemática da E.B. 2,3 de Leça da Palmeira não deverá passar pela cabeça organizar iniciativas em que não seja possível que todos possam participar. O que é tranquilizador, sobretudo numa área do conhecimento absolutamente fundamental como a matemática.
Isto a julgar por um dos alunos, que nem por acaso é meu filho. E que hoje lá está, com todos os coleguinhas que quiseram aprender brincando. Sendo que a classificação do concurso, que desconheço na altura em que escrevo, é aqui o que menos interessa. A mim, a ele e à escola.
Não sendo então a propósito do concurso de “tangram” que me espanto, sobra o outro, o de competições desportivas por equipas. Que no caso do 5º ano, que é do que estou a falar com conhecimento de causa, pelos vistos não aceita a participação de todos.
Tanto quanto percebi perceber participa quem os professores escolhem e ainda alguns escolhidos pelos próprios colegas antes “seleccionados” pelos professores. A estupidez do método, só por si, daria pano para mangas. Se não fosse à partida irrelevante.
Porque o problema fundamental é que não pode haver método de selecção. Não cabe à escola seleccionar os melhores desportistas. Cabe à escola formar todos os seus alunos, na matemática, como no desporto. É uma questão de igualdade de oportunidades, que imagino que algumas cabeças poeirentas não consigam compreender.
A selecção faz-se através da avaliação. Mas sem excluir, entenda-se. Se para a escola é assim tão importante saber quem são os melhores futebolistas do 5º ano, sugiro uma abordagem mais democrática e universal. Que se faça o mesmíssimo torneio, mas com a participação de todos os que o queiram fazer. Seja para os bons de bola, seja para os ciganos, os pretos, os deficientes, os gordos, os magros, os caixas de óculos e os pernas de pau. Isso daria mais do que uma equipa por turma? Excelente, façam-se duas ou três equipas por turma. E o evoluir do torneio trataria de fazer a selecção. Sem dramas. Porque todos poderiam participar.
Professor Jorge Sequeira, mesmo imaginando que lhe seja difícil subverter as regras quando o campeonato já está lançado, sugiro-lhe mesmo assim que tente explicar a quem de direito o que é a Escola Pública e como deve funcionar. E se já não for capaz de travar esta inqualificável iniciativa, peço-lhe que tome medidas no sentido de que não se volte a repetir.
Uma nota final apenas para acrescentar que, sendo esta mensagem dirigida a si, a entendo eu como uma mensagem dirigida a toda a comunidade escolar. Pelo que a poderá reencaminhar para quem entender. Eu farei, aliás, exactamente isso, começando pela Associação de Pais da E.B. 2,3 de Leça da Palmeira.

Matosinhos, 23 de Março de 2009
Rafael João Alves Tavares Barbosa

Lançar foguetes e apanhar canas

1. Em Espanha já lhe chamam a “festa do desempregado”. Porque em tempos de recessão, como explicava há dias o jornal “El País”, os desempregados converteram-se em foco de atenção política e comercial. O Governo de Zapatero concede-lhes uma moratória no pagamento da hipoteca, a Telefónica perdoa metade da conta mensal do telemóvel.
Em Portugal, a “festa” ainda não ultrapassou as fronteiras do Estado. A nossa PT ainda não anunciou nenhuma campanha de marketing do género. Mas Sócrates foi rápido a copiar o modelo da moratória no pagamento da prestação da casa. Uma espécie de “deixe acumular para amanhã o que não pode pagar hoje”. Fica por saber o que acontecerá se amanhã o desempregado não conseguir pagar o que acumulou.
Mas não sejamos demasiado cáusticos. À parte a moratória, o Governo anunciou iniciativas válidas, como o alargamento da acção social escolar às crianças com pais desempregados ou o aumento da comparticipação dos medicamentos genéricos para os que têm pensões mais baixas. Medidas que custam 100 milhões de euros ao Orçamento de Estado.
Será pouco ou muito, dependendo da perspectiva a partir da qual se compara: pouco, quase nada, se comparado ao custo de pontes, aeroportos e TGV que se anunciam; muito, se comparado a um orçamento familiar em que já não sobra nada para medicamentos, livros ou refeições na escola.
Não será, definitivamente, motivo para “festa”. Excepto nesse arraial popular em que às vezes o nosso Parlamento se transforma. Em que o Governo se ilude com o facto de ser o único com meios para lançar os foguetes e a oposição se irrita por não poder fazer mais nada do que apanhar as canas.
2. A apresentação do relatório anual da Escola Segura passou mais ou menos despercebida. Provavelmente já são poucos os que têm paciência para estatísticas, depois de tanto ouvir falar de taxas de desemprego. Mas não devia ser assim porque alguns daqueles números revelam situações preocupantes sobre o clima de violência que se vive em algumas escolas. Sobretudo o que nos diz que as agressões a professores continua a aumentar e que já se somam 206 casos participados num único ano lectivo.
Mas ainda mais preocupante é que os dois ministros que estiveram na apresentação do relatório – a da Educação e o da Administração Interna – se limitaram a apresentar os números. Nada sobre os motivos para tanta violência e indisciplina. Zero sobre o que propõem fazer para reverter o cancro que se vai instalando. Conclui-se que alguns ministros já não são capazes, sequer, de lançar foguetes. Talvez esteja na hora de alguns voltarem ao papel de tentar apanhar as canas.

sábado, 21 de março de 2009

Os eleitores

MATOSINHOS
143 298 (134 580Negrito) +8718

Custóias 13 374 (12 762) +612
Guifões 8 792 (8 081) +711
Lavra 8 404 (7 629) +775
Leça do Balio 12 880 (12 029) +851
Leça da Palmeira 14 985 (13 854) +1131
Matosinhos 27 301 (25 837) +1464
Perafita 11 668 (10 870) +798
Santa Cruz do Bispo 5 087 (4 916) +171
São Mamede de Infesta 19 527 (19 225) +302
Senhora da Hora 21 280 (19 377) +1903

Mas que vem a ser isto? perguntam vocês. São os mais recentes números de eleitores em Matosinhos, dados actualizados em Dezembro de 2008. Para poderem comparar, na segunda coluna estão os números de Maio de 2005 (referência para as autárquicas de 2005) e na terceira a diferença entre 2005 e 2009. Para o caso de quererem confirmar ou de terem curiosidade de saber o que aconteceu noutras terreolas, vão até aqui e usem a cabeça.
Relativamente a Matosinhos ressalvo apenas a curiosidade de passar a ter mais nove mil eleitores e ainda o facto de ter sido a Senhora da Hora a freguesia que mais cresceu, superando inclusive a freguesia mais populosa, que é Matosinhos. Finalmente o facto de S. Mamede de Infesta ter praticamente estagnado.

Luta de galos


Aí está mais uma prova de que este ano a campanha para as autárquicas começa bem cedo em Matosinhos. A CDU também já tem um cartaz e tanto quanto sei está ali para os lados da "anémona". Tendo em conta a temática, é um bom local. Um dos galos mora ali ao lado.

Falando um pouco mais a sério, o que este cartaz demonstra é que já se percebeu qual será o mote principal para esta campanha: apostar tudo na guerrilha Narciso/Guilherme. Era o que já estava a fazer o PSD, através dos seus cartazes de "união", e é o que faz agora a CDU.

quinta-feira, 19 de março de 2009

Plano quinquenal


Mais uma entrevista do presidente da SAD do Leixões, Carlos Oliveira, desta vez ao Matosinhos Hoje. Ressalto aqui algumas das afirmações e acrescento os comentários que me sugerem. Umas vezes mais simpáticos, outras mais sarcásticos.

"Agora falamos de atrasos de dois meses [nos salários], mas quando cheguei ao Leixões eram de 7 meses para os jogadores e de 11 meses para o resto do pessoal."
Incontestável a diferença para melhor neste como noutros capítulos da vida do clube. Mas na minha modesta opinião, esta é mesmo a mais importante. É verdade que no mundo da bola se pagam salários demasiado elevados [e o Leixões não é excepção, como o próprio Carlos Oliveira reconhece noutras passagens da entrevista], mas na altura de assinar contratos, que se saiba, todos o fazem livremente. E se um assalariado faz o seu trabalho, tem direito à respectiva retribuição. O contrário é crime e deveria ser punido com prisão. Na bola como no têxtil.

"Nesta administração ninguém ganha, ao contrário de antigamente, em que os salários eram imorais: um administrador ganhava 4000 euros por mês (14 meses), além de despesas de telemóvel e de representação (pagámos muitas contas em restaurantes de Matosinhos, que vinham do antigamente, de almoçaradas e jantaradas). Comigo isso acabou tudo. Pagamos os nossos telemóveis e se tenho de almoçar com alguém pago do meu bolso."
Se fosse um gestor profissional e competente, não me parece que fosse assim tão repugnante. O problema é que não deve ter sido bem o caso. Na verdade, nesta era das SAD, da "indústria do futebol" e dos accionistas, a regra tem mesmo de ser a da remuneração. É um trabalho como outro qualquer. Ou então, voltamos ao modelo de clube, puro e duro (que por acaso prefiro numa instituição como o Leixões), e então sim, teria de ser por carolice. O que Carlos Oliveira não pode é pedir sol na eira e chuva no nabal [a linguagem que usa, para quase tudo o resto é a de um gestor de empresas], só para mostrar que é uma espécie de bom samaritano.

"Porque estão contra a Câmara ajudar se o Leixões é quem mais publicidade faz da nossa terra e mais gente cá traz quer pelo futebol, pelo volei, pela natação e pala Taça do Mundo de Bilhar entre outras, como as Jornadas Médicas..."
Apreciei sobretudo o prestígio que advém para Matosinhos da organização de Jornadas Médicas. Temos portanto o Leixões a fazer concorrência ao Hospital de Matosinhos [ou melhor, ULS de Matosinhos]. Quanto à Câmara ajudar o Leixões, nada contra, se não for através da participação no capital da SAD, ou através do Mar à Mesa, essa espécie de lavagem de dinheiro municipal [e portanto dos contribuintes] para pagar salários a profissionais da bola.

"Estamos muito mal para a formação e dependentes da Câmara. Acredito que esta vai cumprir o que prometeu apesar de haver sempre quem queira impedir ou atrasar (...) Penso também que a Junta podia fazer mais, quer directamente, quer usando da sua influência, mas a Junta não dá nada ao Leixões."
Quanto a formação, plenamente de acordo. Fala quem tem um rapaz com idade para sonhar que vai ser um Cristiano Ronaldo do Leixões e que portanto pode testemunhar que o nosso clube é o que pior trata os seus pequenos jogadores, com condições inqualificáveis. Nomeadamente quando comparadas com as que têm vários clubes da região e até do concelho. Quanto à referência à Junta de Matosinhos, percebe-se que as coisas estão mal Paradas, embora me confesse ignorante para perceber porquê.

"Como já disse estou a preparar um plano de cinco anos, que até pode ser de três anos, para finalizar a reconstrução do Leixões e acabar de eliminar o resto dos erros do passado. Com este plano quero preparar a minha saída."
Com esta afirmação parece querer contestar os boatos que correm semana sim, semana não, de que se vai embora. Afinal vem aí um plano quinquenal. Mas nunca fiando, porque já vi muita gente fazer promessas solenes destas e bater com a porta na semana seguinte. Até já aconteceu ciom um primeiro-ministro mais Durão que Carlos Oliveira. Caso para dizer que é melhor fazer prognósticos só no final dos cinco anos.


Tudo lido, relido e analisado, fica a conclusão. O Leixões atravessa uma das melhores fases desportivas da sua centenária existência. Carlos Oliveira terá os seus defeitos - e às vezes consegue até ser irritante - mas revela suficientes méritos para também merecer elogios. Na verdade muito poucos conseguiriam fazer melhor. E mesmo esta é uma percepção meramente académica, porque neste momento não vislumbro ninguém com essa capacidade. Acabasse ele com a promiscuidade autarquia/futebol [tarefa pela qual infelizmente não revela qualquer inclinação] e por mim poderia ficar os cinco anos necessários para cumprir o plano quinquenal.

segunda-feira, 16 de março de 2009

Ainda as carripanas

A presidente da concelhia do PSD de Matosinhos, Clarisse Sousa, faz uma crítica velada aos actuais autarcas do partido no executivo, declarando que se fosse vereadora teria votado contra a proposta socialista de aquisição de cinco novas viaturas para a câmara municipal, duas das quais para o uso do presidente da autarquia (...) Clarisse Sousa estende a sua indignação à forma como as empresas municipais Matosinhos Habit (que faz fundamentalmente a gestão do património habitacional do município, lidando com a atribuição de casas, rendas e obras) e a Matosinhos Sport (que faz a gestão de equipamentos desportivos e de lazer) estão a ser administradas. A presidente da concelhia de Matosinhos do PSD (...) não encontra razões para os administradores daquelas duas empresas disporem 24 horas por dia dos carros que lhes são atribuídos. "Justifica-se que tenham carro, mas não para uso pessoal", argumenta a dirigente. Confrontado pelo PÚBLICO, o presidente da autarquia, Guilherme Pinto, alega que os administradores da Matosinhos Sport e da Matosinhos Habit beneficiam das mesmas contrapartidas que os administradores de empresas de outras câmaras.
Uma versão resumida de mais uma notícia do Público [procurem em edição impressa] sobre o uso de carripanas na Câmara de Matosinhos. E é a Concelhia do PSD ao ataque, depois de tantos anos de silêncio. Ou, para sermos mais justos, depois de tantos anos em que ninguém esteve interessado em saber o que diziam.
Desta vez o alvo específico são os administradores das empresas municipais e o seu direito a um carro durante as 24 horas do dia. Clarisse Sousa acha um excesso, Guilherme Pinto contrapõe que é uma contrapartida igual à de outras câmaras.
Não é grande argumento. Teria sido mais interessante que nos explicasse o que ganha a população com isso. Sim, porque convém lembrar que são os nossos impostos que pagam tudo isto. Aliás, penso que os directores municipais também têm direito a benefício semelhante.
Talvez seja hora de alguém propor um corte em despesas desnecessárias. Sobretudo em tempos de crise, em que até é preciso pedir cinco milhões emprestados para pagar as dívidas de curto prazo.

A manifestação e o julgamento

1 – 150 mil, 200 mil, 250 mil?... Interessa pouco saber quantos se juntaram em Lisboa, na sexta-feira passada. Mais expressivas do que qualquer número foram as imagens que passaram nas televisões, ou as que foram publicadas nas primeiras páginas de jornais. A CGTP foi capaz de colocar um mar de gente na Avenida da Liberdade em protesto contra as políticas do Governo. O que não se consegue apenas por haver dinheiro para pagar umas centenas de camionetas. Foi, antes, mais um sinal poderoso da pressão política e social que envolve o PS e José Sócrates.
No seu regresso de Cabo Verde, o primeiro-ministro lá se confrontou com a necessidade de comentar os números e os motivos da manifestação. E a reacção foi, como de costume em situações desta natureza, politicamente pobre. Na redutora visão de José Sócrates, aquelas dezenas de milhares de portugueses saíram à rua apenas para o insultar. Sendo que é apenas gente manipulada por comunistas e bloquistas. Imagina-se o tamanho do sorriso de dirigentes de um e de outro partido, ouvindo elogios destes à sua capacidade de mobilização.
No reverso da medalha, enquanto Sócrates demonstra a sua irritação com qualquer manifestação que apareça, Cavaco Silva vai dando conta da sua preocupação e tristeza com a situação que se vive no país. E em Barcelos, quando confrontado com um grupo de operários vítimas do encerramento de fábricas, que se manifestavam à porta da Câmara, decidiu romper o protocolo e oferecer-lhes solidariedade. “Sei que é pouco”, disse, “mas não tenho mais para vos dar”. É curioso perceber como Cavaco está cada vez menos “cavaquista”, enquanto Sócrates vai fazendo o caminho inverso.
2 – Desconcertante a fórmula encontrada por Pinto da Costa para protestar inocência junto do Tribunal que o está a julgar pela acusação de corrupção: “Se eu estou a faltar à verdade, então que caiam todos os males sobre o que mais amo na vida – a minha filha”. Não se duvidando do amor do pai pela filha, argumentos desses ainda não servem para decidir, felizmente, se alguém é culpado ou inocente. E até contribuem para transformar o que devia ser um acontecimento solene - um julgamento - numa sessão de mau gosto.
Uma das conclusões que se pode retirar do que se ouviu é que Pinto da Costa é um homem acossado. E que já não sabe bem nem por quem nem porquê. E talvez por isso tenha também aproveitado para pedir castigo divino para todos os que “forjaram a tramóia” em que está envolvido. Tão bem forjada que até o Ministério Público se deixou levar pela mistificação, pedindo a sua condenação.
Ignoro se o presidente do F. C. Porto é culpado ou inocente. Essa é uma tarefa para o juiz que presidiu ao julgamento. Mas independentemente da sentença, o que começa a ser evidente é que o seu tempo como líder dessa grande instituição da cidade do Porto já passou. Ele é que ainda não percebeu.
(*) Comentário originalmente publicado no JN desta segunda-feira

Bitaites

Aguiar Falcão de Castro, especialista em marketing político, mandava ontem no JN os seguintes "bitaites" sobre o panorama actual em Matosinhos:

- "como estratega não compreendo a estratégia de Narciso Miranda; como eleitor vejo um político ressabiado"
- "no PS há um certo desnorte, alguém que esteve no poder e não realizou parte do que se propôs realizar. Guilherme Pinto pode ser penalizado por isso"
- "quanto ao PSD, vejo alguém que troca a estratégia pela táctica. Corre o risco de ser percepcionado como chico esperto"
- "à partida, lucram os partidos à esquerda do PS"

domingo, 15 de março de 2009

O polvo

Mesquita Machado & Família têm várias máquinas potentes nas garagens das suas várias casas em Braga e no Algarve. E ainda um número invulgar de contas bancárias - 34 ao todo - sempre com muitos depósitos de quantias elevadas. Algumas destas através de cheques depositados por empreiteiros locais.
A esta síntese juntava o "Expresso" do último sábado a casa do director do departamento de urbanismo, Mário Louro, avaliada num milhão de euros, quando, nos últimos dez anos, o diligente funcionário teve um rendimento médio de 33 mil euros.
A PJ investigou esta gente durante os últimos oito anos, mas não chegou a conclusão nenhuma. Mas pelos vistos o Ministério Público pondera desenterrar o processo.
Presumindo que os resultados voltarão a ser os mesmos, ou seja, nulos, proponho que se inverta o ónus da prova, avançando com a famosa lei sobre enriquecimento ilícito que Ana Gomes foi propor ao congresso do PS. Que basicamente prevê que os titulares de cargos públicos que apareçam de repente cheios de massa façam prova de que o que têm foi adquirido de forma legítima.
Aposto que havia uma data de gente a desistir do "serviço público"...

sexta-feira, 13 de março de 2009

Carro e motorista

"Guilherme Pinto reconhece que há um carro ao serviço da presidência que é utilizado para transportar as suas filhas à escola, quando ele não pode ir".
Este é apenas o primeiro parágrafo de um notícia que está hoje no Público [ver edição impressa]. Resumidamente, fica-se a saber que Guilherme Pinto usa e abusa das benesses que um cargo público representa e que não tem qualquer problema de consciência de usar os bens públicos em proveito próprio. O autarca argumenta ser natural que "peça ajuda" quando não pode levar as filhas pessoalmente à escola.
Devo dizer que este tipo de notícias me provoca dois tipos de sensações. Uma a de que é um pouco mesquinho ir à procura deste tipo de episódios e noticiá-los. Outra a de que mesmo assim são importantes, por serem reveladoras. Mostram bem a confusão permanente entre cargo e pessoa, na vida política e pública portuguesa.
A notícia é mesquinha porque sabemos todos muito bem que esta é uma prática generalizada. Em Matosinhos, como em outros municípios do país ou em qualquer serviço ou empresa do Estado. Não o facto de se ter um carro à disposição dos filhos, mas o uso e abuso de privilégios que são destinados à instituição e não à pessoa.
Mas é uma notícia simultaneamente importante, insisto, por ajudar a pôr a nu uma debilidade endémica da nossa democracia: uma boa parte dos nossos actores políticos não escolhem esta via porque estão interessados em fazer serviço público, escolhem-na porque é a forma mais fácil de conseguir privilégios que nunca teriam de outra forma. Como o de poder ter carro e motorista para levar os filhos à escola.

segunda-feira, 9 de março de 2009

Famílias


1 - O objectivo de uma empresa privada é obter lucro. E a obtenção de lucro não serve apenas aos accionistas. É bom para os trabalhadores. Por outro lado, parte do lucro é muitas vezes usada para investimento. O que é bom para o país. E se é assim para qualquer actividade privada, por maioria de razão é bom perceber que também têm lucro empresas como a EDP e a Galp, que são privadas mas lidam com bens de interesse público e estratégico. Só que, sendo assim, é natural que nestas haja também um maior escrutínio público. Para perceber, nomeadamente, se o lucro se está a fazer à custa do interesse público. No caso da EDP e da Galp, que, mais do que lucro, conseguiram durante o ano passado aumentar os seus lucros, é natural que os cidadãos queiram mais explicações. Porque uma coisa é fazer reverter para os consumidores - empresas e famílias - os custos acrescidos das matérias-primas, outra bem diferente é ter comportamentos especulativos. E quando se percebe que, por exemplo, a Galp, no último trimestre de 2008, teve mais 200% de lucro que em igual período de 2007, fica-se com a sensação de que foi isso mesmo que aconteceu. Os consumidores foram enganados. O país ficou a perder.
2 - Durante os últimos anos, a CGD, um banco público, concedeu crédito a inúmeros empresários e especuladores, financiando as suas pretensões de controlo de um outro banco, o BCP. Fê-lo exigindo como garantia para os empréstimos as acções que foram sendo compradas. Acontece que essas acções valem hoje quase nada. E nenhum destes visionários tem agora como devolver o dinheiro que pediu emprestado. Colocando uma cereja no topo deste ruinoso negócio, a CGD decidiu comprar a um deles, Manuel Fino, um conjunto de acções numa outra empresa, a Cimpor. Mas pagou mais 25% do que o preço de mercado. E querem convencer-nos que foi um bom negócio. Resta lembrar que os dois responsáveis pelo financiamento público aos especuladores privados estão agora no BCP. Chama-se a isto fazer negócios em família. Para não lhe chamar outra coisa.
3 - Quando se ouve um dirigente do PS como José Lello defender que o partido tem de funcionar como uma família não pode deixar de se sentir uma certa emoção. Sobretudo quando se sabe que as organizações mais conhecidas por funcionarem como uma família têm sede em Nápoles e na Sicília. Claro que pode sempre supor-se que o deputado estará a pensar num exemplo que lhe é mais próximo, como o do Boavista, durante tantos anos liderado pela família Loureiro, com o prestimoso apoio do próprio José Lello. Com o resultado que se conhece. Quanto a Manuel Alegre, pois é ele que está na origem desta metáfora, mesmo já tendo percebido que não o querem para patriarca, hesita em pedir o divórcio. É de esquerda mas às vezes parece ter medo de não ter direito a pensão de alimentos.
(*) Crónica originalmente publicada no JN desta segunda-feira

sexta-feira, 6 de março de 2009

The show must go on...


A mim sempre me ensinaram que a uma criança não se dá um chupa-chupa, para depois lho tirar outra vez. É uma crueldade. Assim não devem pensar os vendedores da pretensa magia de Hollywood.
Vem isto a propósito do "oscarizado" filme "Quem quer ser bilionário?" e de uma das suas personagens, interpretada por uma menina de uma das "favelas" de Bombaim, Rubina Ali.
A edição de ontem do El País mostra uma menina sorridente, no Kodak Theatre, com um Óscar na mão, de vestido brilhante e sedoso, bandolete a prender o cabelo, lavado e penteado.
Ao lado, uma outra foto, tirada alguns dias depois, da mesma menina, com um sorriso menos brilhante, quase envergonhado, com roupas menos sedosas e o cabelo meio desalinhado, já no seu habitat, um tugúrio qualquer daquela cidade indiana.
É assim o mundo de silicone em que vivemos. Num dia dá-se o chupa-chupa à menina, e já agora um vestido novo e uma estadia num hotel de luxo, no outro tira-se tudo e devolve-se à procedência e a um quotidiano miserável.
Apesar de tudo teve um pouco mais de sorte que o seu par no filme, Azharuddin Ismail, 10 anos. Quando regressou a casa levou logo uma lambada do pai, alcoólico e tuberculoso, por não se ter disponibilizado a comparecer perante a turba de jornalistas que se juntou à porta do barraco.
Não desesperem, nem se entristeçam. Não tardará que apareça quem precise de um pouco de publicidade e os arranque da miséria em que vivem para os instalar num apartamento de um subúrbio qualquer.

Ainda as rampas...

As rampas das garagens dos edifícios que estão a nascer no quarteirão da antiga Gist-Brocades são, na opinião do presidente da Junta de Freguesia, "inaceitáveis". "Os erros devem ser rectificados, a Câmara tem de chamar o promotor e sensibilizá-lo para o facto daquilo estar a prejudicar os matosinhenses", diz António Parada, garantindo que lutará por todos os meios para impedir aquele "atentado urbanístico". Ao JN, o presidente da Câmara afirmou que não pode suspender uma obra que está a cumprir o Plano de Pormenor do quarteirão, aprovado em 2005 pela Câmara, Assembleia Municipal e Comissão de Coordenação da Região Norte. Segundo Guilherme Pinto, qualquer alteração agora implicaria voltar a discutir todo o plano. Ainda assim, diz estar em diálogo com o promotor, embora ache "difícil outra solução".

Ora aqui está uma notícia de onde se retiram várias conclusões:

que o António Parada não vai á bola com Guilherme Pinto, ou pelo menos gosta de fazer de conta que é assim;

que não há nada como um Plano de Pormenor para legalizar desmandos;

que o corpo técnico da Câmara de Matosinhos está a precisar de uma vassourada, porque deixa passar tudo;

que o actual presidente da Câmara não tem lá grande prestígio entre os promotores imobiliários, pouco disponíveis para aturar arrependimentos tardios;

que isto de andar agora a pensar em mexer em planos de pormenor por causa de pormenores é uma grande chatice que não se justifica, derivado à trabalheira que dá;

que se é assim numa obra desta visibilidade, as charutadas que não devem estar a ser cometidas um pouco por todo o lado sem ninguém dar conta.

Que maravilha!

quinta-feira, 5 de março de 2009

Sondagens


A julgar pelo que se vai lendo e ouvindo, já se fizeram várias sondagens a propósito das próximas eleições autárquicas. Eu já vi algumas e já ouvi falar de outras. E a conclusão a que chego é que, no momento, o primeiro lugar na grelha de partida pertence, de forma indiscutível, a Narciso Miranda.

E isso deve-se, presumo, a três factores. O primeiro tem a ver com a visibilidade do homem que, durante quase três décadas, esteve à frente da Câmara. No melhor e no pior, interessa pouco. Uma visibilidade (ou notoriedade, como costumam dizer os homens que fazem sondagens) que Narciso não se cansa de trabalhar. Não tenho dúvida que não há um único matosinhense que não o reconheça se o vir a passar na rua. E caso se cruze com algum mais distraído, Narciso tratará de forçar o reconhecimento.

O segundo tem a ver com o facto de ser um candidato que há muito anda no terreno. Mesmo antes de tornar pública a sua candidatura, já Narciso urdia a sua teia. Quase se poderá dizer que a campanha para 2009 começou quando ainda se estava na campanha para 2005.

O terceiro tem a ver com a desilusão em que rapidamente se converteu o actual mandato de Guilherme Pinto. Muito por culpa do próprio, como é evidente, mas ainda mais pela fraca qualidade e ganância dos que o rodeiam. E não estão a falar apenas dos vereadores. Sobretudo das "elites" que compõem a hierarquia dos serviços municipais, dos administradores de empresas municipais, dos pequenos poderes das freguesias, dos manobradores da máquina partidária. Um lote grande de gente em que é difícil (não digo impossível) encontrar algum sentido de serviço público. Sendo que boa parte desta confederação de pequenos interesses foi criada por Narciso Miranda. Uma nebulosa que este foi sendo capaz de controlar, pelo menos em parte, graças ao seu carisma e a um pulso de ferro que muitas vezes descarrilou para o autoritarismo.

O resultado disto, para voltar ao princípio, é que Narciso está no primeiro lugar da grelha de partida. Sendo óbvio que vai "comer" bem mais de metade das suas intenções de voto aos que, em 2005, votaram no Partido Socialista. O resto vai sobretudo buscar ao PSD, e provavelmente mais umas migalhas ao PCP e ao BE. O disfarce da independência ajuda sempre a tornar uma candidatura mais abrangente [digo disfarce porque é uma evidência que Narciso é e será sempre do PS e que apenas razões conjunturais o impedem de se recandidatar pelo seu partido]. E isto significa que, cruzando as várias sondagens que por aí se fizeram e vão fazendo, andará nesta altura com um resultado a rondar os 30% a 35%.

No segundo e terceiro lugares estarão, por esta ordem, Guilherme Pinto, e um qualquer candidato do PSD. No caso do PS, não sobram mais do que 25% de intenções de voto, porque neste momento já perde mais de metade do que teve em 2005 para Narciso Miranda. O PSD andará por perto, algures na casa dos 20% a 25%.

Narciso arrisca-se a já ter atingido o pico "eleitoral". E pode começar a sofrer algum desgaste de uma partida muito antecipada. Ao PS de Guilherme Pinto não se vislumbra alma para dar a volta por cima. Embora possa ainda vir a beneficiar de uma ou outra obra que entretanto se inaugure, para já não falar da máquina de propaganda poderosa que sempre foi a Câmara Municipal. E ainda, é bom não esquecer, de uma fidelidade quase cega de parte do eleitorado ao PS.

Quem terá no entanto mais a ganhar, daqui para a frente, serão os outros. O PCP, com Honório Novo já a dar sinais de um renovado dinamismo. O Bloco de Esquerda, mais à boleia do fenómeno nacional do que da capacidade local. E obviamente o PSD. Que também aspira à vitória, como já se percebeu.

É este partido o que mais vai subir, não tenho dúvida, nos próximos meses, nas sondagens que se fizerem. Para conseguir mais uns pontos, bastará anunciar um candidato, qualquer que ele seja, porque estamos a falar de eleições muito personalizadas em que os eleitores precisam de reconhecer um rosto, mesmo que seja para responder a um inquérito telefónico. O resto é na verdade uma incógnita. Porque, para ganhar, terá não só de recuperar os "votos" que entretanto "perdeu" nas sondagens para Narciso Miranda, como terá de ir "roubar" mais uns milhares ao PS.

Não arrisco prognósticos. Há três candidatos à vitória e pode bem acontecer que se chegue ao dia das eleições sem a mínima certeza sobre o que acontecerá nas urnas. O que me parece excitante. Porque vai obrigar a um debate mais profundo e porque haverá ainda mais lavagem de roupa suja. O que do ponto de vista do cidadão, parecendo mau, é excelente.

Beto vs Sócrates

Não há dúvida que às vezes aparecem por aqui comentários bem escritos. E alguns, como é o caso, muito originais. E portanto aqui fica a "promoção", desta vez a um comentário de Umberto sem Eco, visitante assíduo.
O Beto defende muito e bem. O Homem ataca forte e mal. O Beto é humilde. O Homem é arrogante. O Beto é sereno, o Homem é irascível. O Beto só tem um número nas costas. O Homem só tem números na cabeça, hoje anunciou mais 172 contratos para 299 salas de pré-escolar, 13 mil crianças, 36 milhões de euros, taxa de cobertura nacional 82 %. Perceberam? Fiquei esmagado com tanta sapiência. O Beto pensa quando defende. O Homem não pensa, debita. O Beto quando está em jogo, pára muitas vezes quando a bola está longe. O Homem não pára, acelera. O Beto tem à frente dele companheiros da defesa, solidários. O Homem vai acabar sozinho, porque haverá um muro à espera dele. O Beto na baliza dá sinais de tranquilidade. O Homem dá sinais de incomodidade. O Beto acha que ainda não é o melhor. O Homem pensa ser o supra sumo da decência. O Beto pratica o conforto do diálogo. O Homem em arrogância ultrapassa os limites.O Beto só salta mais que os outros. O Homem pula por cima da licenciatura, dos projectos na guarda, do Freeport, do apartamento em Lisboa. O Beto acha que quando se ganha no campo é indiscutível. O Homem pensa, no alto da sua prepotência, que a vitoria do voto o inocenta do «resto». O Beto foi ao JN e dialogou sem problemas com os leitores. O Homem pensa que restituindo o Pedro Silva Pereira à TVI vai limpar a sua «imagem». O Beto é um democrata, respeita as opções do seleccionador. O Homem não tem o mínimo respeito pelos pilares essenciais da democracia.Beto é um HOMEM. O Homem é o José Sócrates.

quarta-feira, 4 de março de 2009

O Beto, o Jorge e eu...


Já seria suficiente que fosse um grande atleta. Mas é sempre bom apertar a mão a quem demonstra, ainda por cima, tanta simpatia, simplicidade e serenidade. O Beto esteve hoje na Redacção do JN, para participar numa conversa com os leitores na edição online. Que teve uma enorme adesão. Foram tantos os que quiseram participar nesta conversa que ficaram centenas de perguntas por responder. Sugiro uma vista de olhos aqui ou, em alternativa, a leitura do resumo na edição de hoje em papel. Já me esquecia... o jogador de râguebi ao centro é o jornalista Jorge Pedroso Faria, matosinhense e leixonense. Outro vintage, portanto.

terça-feira, 3 de março de 2009

Lapidar

"Foi uma manifestação excessiva do culto de uma personalidade, absolutamente imprópria para um país que está na crise em que está". Assim se referiu Manuela Ferreira Leite ao Congresso do PS e respectiva overdose de José Sócrates. Ficamos esclarecidos. O culto da personalidade, segunda a avó Manuela, só é aceitável em tempos de fartura.

Não se assustem


Hoje de manhã vai haver confusão na Petrogal. Vai haver sirenes para cima e para baixo e ruas cortadas ao trânsito. Mas não vale a pena entrar em pânico [nomeadamente o Eugénio, que mora ali a dois passos]. É apenas um simulacro. Ou seja, uma coisa parecida com a parada de domingo passado, na marginal portuense. Aposto que as carripanas estarão a brilhar e as fardas escovadas. E que no final alguém dirá que tudo correu maravilhosamente e que a Protecção Civil municipal está preparada para tudo. Costuma dizer-se que mais depressa se apanha um mentiroso que um coxo. Esperamos todos que nunca chegue a ser o caso. Já temos sustos. feridos e mortos que cheguem em tantos anos de irresponsabilidade. De quem gere a refinaria e de quem deveria controlar os desmandos que por lá ocorrem.

segunda-feira, 2 de março de 2009

O Palácio


Os acessos às garagens dos edifícios Palácio da Enseada, em Matosinhos-Sul, ocupam parte da via na Avenida da República e na Rua Heróis de França. A obra cumpre o plano aprovado em 2005, mas a Câmara admite que foi mal pensado.
A construção do conjunto de seis blocos que compõem o empreendimento "Palácio da Enseada", a ser edificado no quarteirão da antiga Gist-Brocades, implicou a elaboração de um Plano de Pormenor. Foi visto e revisto por todas as entidades competentes e aprovado em Julho de 2005, ainda no mandato de Narciso Miranda. Mas ninguém "reparou" ou se preocupou com o facto dos acessos às garagens daquele condomínio de luxo ocuparem parte da via pública, prejudicando o estacionamento numa zona de acesso às praias, sempre muito congestionada.
"Alguma coisa está errada", denunciou, ao JN, um morador da Avenida da República, indignado com o que está a acontecer na zona mais nobre do concelho de Matosinhos.




Alguma coisa está errada, alvitra um morador da zona. Eu diria que o que há é gato escondido com rabo de fora. E talvez ajude a perceber como acontecem estas coisas se se pensar um pouco em quem é o autor do projecto e em quem são os promotores do empreendimento. E talvez também ajude saber que o projecto foi inicialmente entregue à dupla Siza/Souto Moura, mas acabou noutras mãos e com mais um andar.
Claro que para tudo isto haverá explicações absolutamente legais. Mas da censura política já não se livra quem deixou que as coisas seguissem assim. Narciso Miranda, em primeiro lugar, uma vez que foi com ele que o processo se iniciou, e Guilherme Pinto, que tenta agora sacudir a água do capote com algum descaramento. Afirma ter pedido um parecer jurídico para saber o que pode a Câmara ainda fazer, mas logo em seguida admite que não pode fazer nada (seguir o link para ver o resto da notícia). E entretanto o interesse privado sobrepõe-se mais uma vez ao interesse público. É o que temos.
Só para terminar, observem bem a imagem que se anexa. E digam-me o que ganha a nossa cidade com urbanizações gigantescas destas. E olhem ainda com mais atenção para a floresta de betão que a rodeia. É isto o que chamam de qualidade de vida?

Sobressaltos do congresso


José Sócrates está a ser alvo de uma campanha negra e para a travar é necessário um sobressalto cívico. O Bloco de Esquerda é um partido parasita. Só a maioria absoluta do PS garante estabilidade e governabilidade. O ensino pré-escolar vai passar a ser obrigatório. Vital Moreira será o cabeça de lista às eleições para o Parlamento Europeu. Assim se pode fazer a síntese do congresso socialista deste fim-de-semana. Mas vamos por partes.
O secretário-geral do PS escolheu a estratégia da vitimização para abrir o congresso. Não há nada como o alerta de que se está debaixo de fogo inimigo para unir as tropas e fomentar o espírito de combate. O problema é que José Sócrates escolheu o inimigo errado. A Comunicação Social não é perfeita, mas isso acontece porque reflecte as imperfeições da sociedade que retrata.
Se as suspeitas sobre o ex-ministro do Ambiente são infundadas, a melhor forma de repor a verdade é apelar à eficácia da investigação. E já agora garantir meios para que a máquina da justiça funcione de uma forma célere e independente do poder político. Esse, sim, seria um bom tema para discutir num congresso em que se deveria ter começado a desenhar um programa eleitoral. Ou será que o sobressalto cívico que se pede vai apenas no sentido de pressionar os media a varrer as notícias desagradáveis para debaixo do tapete?
O PS elegeu o Bloco de Esquerda como principal adversário. Porque teme que sejam os "parasitas" da esquerda, para citar António Costa, a roubar-lhe a maioria nas próximas eleições legislativas. O principal partido da oposição, o PSD, já não incomoda. Está tolhido por uma gripe que lhe provoca febres de 40 graus e o consequente delírio discursivo. Não vale a pena, portanto, bater no ceguinho. O PCP tem um eleitorado mais ou menos estabilizado, pode até conquistar algum voto de protesto, mas a fronteira ideológica está bem definida.
Com o Bloco é diferente, sobretudo quando o histórico Manuel Alegre demonstra mais empenho e interesse em participar num comício das esquerdas com Louçã do que num congresso socialista com Sócrates. Cada ponto a mais nas intenções de voto no Bloco é um passo atrás na ambicionada renovação da maioria absoluta. Sendo que esta, segundo Sócrates, é a única forma de garantir estabilidade e governabilidade no país.
Um dogma discutível e que passa até a ser bizarro quando é apresentado quase como um fim em si mesmo, sem conteúdo que o sustente. Certamente não é necessária uma maioria de deputados do mesmo partido apenas para aprovar a obrigatoriedade da frequência do ensino pré-escolar ou para convocar um novo referendo à regionalização, as propostas mais sonantes que o congresso agora ratificou. E presume-se que a estabilidade e governabilidade do país não ficarão em causa se por acaso o casamento entre pessoas do mesmo sexo não for aprovado no Parlamento.
(*) Comentário originalmente publicado no JN desta segunda-feira

sexta-feira, 27 de fevereiro de 2009

Mais um arquitecto


O arquitecto Nuno Brandão Costa - que foi ontem distinguido com o mais importante prémio português de arquitectura, o Secil - gosta de edifícios com um programa bem definido. Foi isso que lhe aconteceu quando recebeu a encomenda da obra que o júri da Secil acaba de premiar: o Edifício Administrativo e Show-Room Móveis Viriato, em Rebordosa, no concelho de Paredes, próximo do Porto. O Prémio Secil é atribuído de dois em dois anos a edifícios que "incorporem o material primordial da actividade da Secil - o cimento - e que constituam peças significativas no enriquecimento da arquitectura portuguesa". Nuno Brandão Costa nasceu em 1970 no Porto, onde se formou e trabalha. É professor na Faculdade de Arquitectura.


in Público


Só para acrescentar que pode ser nado no Porto, mas foi criado em Matosinhos. Ali para os lados da Urbanização do Real. Isso não faz com que seja pior nem melhor, mas faz com que seja dos nossos. Sem bairrismos bacocos, está bom de ver.
PS: Para quem quiser conhecer melhor o arquitecto e a sua obra, aconselho uma vista de olhos ao trabalho publicado na edição de domingo do P2, no Público

O Mundo em que vivemos

No Irão, um homem foi enforcado, depois da “comutação” da pena original, que era a lapidação. O crime cometido foi o de adultério. No corredor da morte, também candidatos às pedradas de misericórdia, estão mais cinco pessoas, quatro dela obviamente mulheres, essas putas (desculpem lá o calão, mas tem mesmo de ser assim).

Nos Estados Unidos, uma mulher de 33 anos, desempregada, solteira e já com um rancho de filhos, conseguiu que lhe fizessem uma inseminação. Teve oito catraios. E com isso ganhará certamente um lugar nas revistas e talk shows televisivos de celebridades e mostrengos (que muitas vezes são uma e a mesma coisa). Entretantos, a principal produtora de filmes pornográficos do Mundo – a Vivid – já lhe propôs um excelente contrato: um milhão de dólares se aceitar protagonizar um filme. Querem transformar a mamã numa puta.

Em Braga e numa feira de livro em saldo alguém se lembrou de pôr à venda um livro com o título de Pornocracia (a autora devia estar a pensar em histórias semelhantes à do parágrafo anterior quando se lembrou do título). A enfeitar a obra uma pintura realista do sexo de uma mulher. Foi um festival na cidade dos arcebispos. Ainda se fosse um anjinho e a respectiva pilinha… O que aconteceu é que a PSP, zelosa, recolheu a obra, para evitar desacatos. Acho que fez muito bem, ainda que tenha sido pintado por um tal Coubert, ainda que o original esteja exposto no Quai d’Orsay. Digam o que disserem sobre a qualidade estética da obra, o que aquilo parece é o retrato de uma puta.

segunda-feira, 23 de fevereiro de 2009

Profissionais da política


1. Elisa Ferreira formalizou a sua candidatura à presidência da Câmara Municipal do Porto. Reuniu os seus na Alfândega, ouviram-se declarações de amor à cidade. Mas também ficou claro que, antes disso, vai garantir a renovação do seu lugar de eurodeputada. Presume-se portanto que a paixão em relação ao Parlamento Europeu também seja grande, embora talvez não chegue a ser "até à medula", como se diz ser no caso da Invicta. Só que o PSD, rápido a reagir, chamou-lhe outra coisa: "oportunismo político" e "vontade de ocupar um cargo qualquer".
Na verdade, quem providenciou as munições ao adversário foi a própria Elisa Ferreira, quando disse que, a ser eleita para a presidência da Câmara, abandonará o lugar em Estrasburgo. Ou seja, só quando garantir um segundo cargo tratará de abandonar o primeiro. Ao jeito de, mais vale um pássaro na mão do que dois a voar... E portanto não se poderá queixar senão de si própria se esta "falta de respeito pelo Porto", ainda para citar o PSD, se transformar em tema recorrente da campanha que se avizinha.
Questão diferente é saber, para além do ruído de fundo, se isso a diminui perante a candidatura de Rui Rio. E a resposta é obviamente negativa. O que a decisão de Elisa Ferreira confirma é que ela é uma profissional da política. Anteontem deputada, ontem ministra, hoje eurodeputada, amanhã logo veremos. Tal qual Rui Rio, anteontem deputado, ontem secretário-geral do PSD, hoje autarca, amanhã potencial candidato a líder do PSD.

2. Servirá para alguma coisa investir na formação de "doutores" se não há trabalho para eles? Para que serve um "canudo" se o melhor que se consegue arranjar é um lugar como caixa de supermercado? São algumas das perguntas que se podem fazer quando se observa a assustadora tabela de produção de desempregados das nossas universidades. Que chega a ser chocante, quando se sabe, por exemplo, que a área do Direito é uma das mais saturadas (1237 desempregados) e, não obstante, o contingente de novos alunos não só se mantém elevado de ano para ano, como vai aumentando. Em nome da garantia de financiamento estatal que alimente um corpo docente com dimensão e regalias que já não se justificam. Uma burla a que é preciso pôr fim. No Direito, como na Psicologia, na Economia ou na Gestão.
Mas se as perguntas iniciais são legítimas, outras conclusões, de sentido inverso, podem ser igualmente poderosas. Porque dizem as estatísticas que um desempregado com formação superior encontra emprego mais depressa do que os outros. E porque nos diz o senso comum que é sempre melhor ter alguma formação, por inútil que aparente ser, do que nenhuma. Sempre permite ambicionar a algo mais do que permanecer na caixa de um supermercado durante toda a vida.
(*) Crónica originalmente publicada no JN desta segunda-feira

quinta-feira, 19 de fevereiro de 2009

O grande irmão

Assunto: Utilização de Base de Dados pela «Associação Narciso Miranda – Matosinhos Sempre»
Destinatário: Comissão Nacional de Protecção de Dados
Ex.mo Sr. Presidente da Assembleia da República
A «Associação Narciso Miranda – Matosinhos Sempre» divulgou, recentemente, um mailing por ocasião da apresentação da candidatura de Narciso Miranda à Câmara Municipal de Matosinhos.
A este respeito, consideramos essencial um esclarecimento sobre a origem da base de dados utilizada e se está ou não registada como tal na Comissão Nacional de Protecção de Dados.
Atento o exposto, os deputados do PSD – Partido Social Democrata abaixo assinados requerem, ao abrigo das disposições regimentais aplicáveis, que lhes seja informado o seguinte:
1. Existe alguma Base de Dados licenciada na Comissão Nacional de Protecção de Dados em nome da «Associação Narciso Miranda – Matosinhos Sempre»?
Palácio de São Bento, 17 de Fevereiro de 2009.
Os Deputados
Miguel Santos
Agostinho Branquinho
Não faço ideia se o mailing tem muitos ou poucos nomes. Não sei se os contactos e os dados que lá estão foram ou não voluntariamente entregues por quem faz parte do mailing. E também não sei se o procedimento é legal ao não. Mas já se nota que o PSD está à espreita. E vai disparar sobre tudo o que mexe.